Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aprender uma coisa nova por dia

Nem sabe o bem que lhe fazia

A caminho do minimalismo: o primeiro passo

este.jpg

 (via)

 

Quantos de nós não sonharam já com a simplificação de uma casa - e de uma vida - minimalista? A liberdade de restringir ao mínimo as inúmeras solicitações diárias em matéria de escolha, planeamento, atenção, a pressão de uma casa que nunca está arrumada, o pânico quando tocam à campainha e não esperamos ninguém... soa familiar?

 

Pois que o minimalismo parece conseguir poupar-nos a isso tudo. Se tivermos menos objetos decorativos, as superfícies planas mais desimpedidas, é muito mais fácil deixar a casa arrumada em pouquíssimos minutos - e na hora de limpar é uma brincadeira de crianças!

 

E, por exemplo, um guarda roupa mais restrito em numero de peças não temos de passar largos minutos a dar voltas à cabeça sobre o que vamos vestir! Não quer isto dizer que repliquemos os exemplos de Steve Jobs ou Einstein, e tenhamos um guarda roupa cheio de N camisolas, calças e ténis iguais, ou de fatos cinzentos, camisas brancas e gravatas similares! Existem muitas formas de o conseguir sem entrarmos em extremismos.

 

Aliás, como vão ver, o método que defenderei é (relativamente) maleável à personalidade de cada um e passa pela adaptação mix and match de alguns métodos comprovados.

 

Mas comecemos pelo mais importante...

1.JPG

Se queremos uma casa  apenas o que nos facilita a vida, qual é a primeira coisa a fazer?

 

Capturar.JPG

Escolher, dar ou deitar fora, sem dó nem piedade.

 

Existem várias estratégias; a que preconizo  é um apanhado entre métodos de que deixarei os links na lista bibliográfica - e webliográfica - de apoio.

 

2.JPG

Disponha de três caixas, e um saco para lixo de pelo menos 120 litros. Etiquete uma caixa com DAR, outra com GUARDAR  a terceira, RECICLAR  e pode optar por uma extra, com ARRANJAR.

 

Entretanto escolha a divisão da casa por onde quer iniciar o processo (este é o "meu " método) e usando um cesto, remova desta tudo o que é de outras divisões da casa e retire do aposento. Agora, faça o inventário dos objetos que a divisão comporta.

Por exemplo, roupa de vestir, roupa de casa, sapatos, acessórios, livros, cosméticos, medicamentos, objetos decorativos, revistas, cadernos, lápis, canetas e marcadores, pequenos eletrodomésticos (acreditem tenho isto tudo no meu quarto... e mais algumas coisas...). 

Inventário feito, escolha um dos grupos para começar - sugiro a roupa - e junte todas as peças que se encontram na divisão. Separe a roupa de casa da de vestir, e restrinja-se à de vestir. Não se esqueça de esvaziar o armário e as gavetas da cómoda.

             5.JPG

Impressionante a quantidade de peças que compõem a pilha! 

 

- pode aproveitar para ir beber um copo de agua, um café (à cozinha, não vale fugir de casa agora!), ir fazer um xixizinho... e volte preparado que agora é a doer...

 

Pegue em cada um das peças e pergunte-se: gosto MESMO desta peça? 

Em caso afirmativo, quando foi a última vez que a vesti?

a)Há pouco tempo: uma semana, um mês; 

b) Há mais de seis meses; 

c) Já nem me lembro;

 

No caso a) coloque num cabide e pendure no guarda roupa, ou dobre e coloque numa gaveta.

No b) pense: gosta mesmo desta peça de roupa? Acredita mesmo que a vai voltar a usar? Quando e como? Se tem respostas favoráveis a estas perguntas ponha de lado, na pilha do "Talvez".

No caso da alínea c) veja se está em estado para dar e coloque na caixa dar ou caso contrário, coloque para reciclar, ou no lixo.

 

Se a resposta à primeira pergunta for não, nem por isso gosto dela, veja o que fazer na alínea c, acima, e força.

 

Proceda assim até à última peça. Agora analise a pilha talvez. Volte a escrutinar cada uma das peças de roupa e decida ficar apenas com as que quer mesmo.

 

Se for honesto e aplicado, vai acabar com o guarda fatos composto, a caixa de reciclar a transbordar (depois de ter sido esvaziada uma ou mais vezes, para dentro de sacos de compras vazios - confesse, o que não lhe falta são sacos de papel de lojas...),  com o saco do lixo cheio ou quase, e com a caixa de dar igualmente a extravasar. 

Encaixote, ou ensaque as peças para dar, feche os sacos de papel para reciclagem (com agrafes fortes), e leve ambas as coisas para fora de casa - entregue-os a quem de direito, se possível. Ou coloque-as na bagageira do carro.

 

open-closet-ikea-small-white-innendesign.jpg

(via)

 

Olhe o guarda fatos e verifique que não ficou com nenhuma peça que possa ser dispensada. Menos é mais. Se for o caso, retire-a e encaminhe-a.

Feche o armário e junte todos os sapatos. Escolha segundo o mesmo principio que usou para a roupa, escolha os que ficam, os que dá e os que vão para o lixo. Tenha atenção que só deve dar sapatos em bom estado - caso contrário, coloque no saco do lixo. Arrume-os na sapateira, ou no fundo do armário.

Faça o mesmo com as carteiras e seja mesmo inflexível - muitas carteiras só atrapalham. Será boa ideia talvez, adquirir um cabide próprio para as arrumar desde que tenha espaço no roupeiro... se não tem, restrinja ainda mais a escolha.

Separe as que dará, e ponha no lixo as restantes.

 

Agora pare e faça um chá, lanche... depois arrume os restantes objetos por forma a que não a atrapalhem, e...

 

... continue amanhã!

 

(nós também continuaremos amanhã, continue connosco)

 

Mais textos meus aqui...

4 comentários

  • Imagem de perfil

    Fátima Bento 27.03.2018 11:01

    Não, dos livros só falo quando chegar à sala - se conseguir lá chegar... 


    Mas fizeste um excelente trabalho, nomeadamente nos biblots!


    (na roupa quando falo de duas estações se calha devia ser mais especifica... são dois Verões ou dois Invernos - ou duas meia-estações...  de um Inverno para o outro, por exemplo, penso que pode ser precoce; um pode ter sido mais frio e outro menos, pelo que podem haver peças que não forma usadas mas podem ser se o segundo for mais frio...)
  • Imagem de perfil

    Magda L Pais 27.03.2018 11:07

    Sim, há essa questão com a roupa. Se um inverno for mais suave, não usamos, em principio, as roupas mais grossas. E se um verão for mais fresco podemos usar roupas mais quentes.


    Dos livros para mim é fácil: não saiem lá de casa e pronto.
  • Imagem de perfil

    Fátima Bento 27.03.2018 11:43

     olha se tivéssemos de os livrar de tudo! Era lindo... #sóquenão.

    O meu calcanhar de aquiles também são os livros, mas vou vender alguns, nomeadamente de pedagogia. Essa época já deu uvas, já as colhi e fiz o vinho - que nem ficou mau! Agora é altura de espalhar conhecimento...
    Mas há umas centenas que não saem cá de casa!
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.