Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aprender uma coisa nova por dia

Nem sabe o bem que lhe fazia

Meias de Natal na Lareira

Conta a lenda que existia uma família com três filhas casadoiras que de tão pobres que eram não tinham dinheiro nem bens para o dote, assim sendo não poderiam encontrar um bom marido... ora, Nicolau (sim esse mesmo o Pai Natal) soube do que se passava com esta família e para os ajudar lançou três sacos com moedas de ouro pela chaminé, estes sacos caíram dentro das meias das raparigas que tinham ali ficado de noite para secar.

 

Este gesto ainda se mantém até aos dias de hoje, nalguns países na noite de cinco para seis de dezembro - data em que se celebra o dia de S. Nicolau - os pais colocam dentro das meias dos filhos sacos com moedas de chocolate embrulhadas em papel dourado.

 

meias -feltro vermelho verde - Casa da Vovó.jpg

 

 

A sopa da Pedra

Não sabem de onde sou?

 

Ora no final deste texto podem adivinhar... aqui nesta cidade três coisas têm muita fama: o melão, o vinho e a sopa da pedra...

 

A sopa da pedra essa então faz com que pessoas se inscrevam em excursões e em caravanas de autocarros... chegam cheias de vontade de provar essa iguaria (que aqui para nós é apenas sopa de batatas, carne, feijão e couves).

Ora conta a lenda...

 

.. que um frade andava no peditório. Chegou à porta de um lavrador, não lhe quiseram dar esmola. O frade estava a cair com fome, e disse:

 

- Vou ver se faço um caldinho de pedra!
E pegou numa pedra do chão, sacudiu-lhe a terra e pôs-se a olhar para ela, para ver se era boa para fazer um caldo. A gente da casa pôs-se a rir do frade e daquela lembrança.
Perguntou o frade :
- Então nunca comeram caldo de pedra? lhes digo que é uma coisa boa.
Responderam-lhe :
- Sempre queremos ver isso!
Foi o que o frade quis ouvir. Depois de ter lavado a pedra, pediu :
- Se me emprestassem um pucarinho.
Deram-lhe uma panela de barro. Ele encheu-a de água e deitou-lhe a pedra dentro.
- Agora, se me deixassem estar a panelinha ao das brasas.
Deixaram. Assim que a panela começou a chiar, tornou ele :
- Com um bocadinho de unto, é que o caldo ficava um primor!
Foram-lhe buscar um pedaço de unto. Ferveu, ferveu, e a gente da casa pasmada pelo que via. Diziafrade, provando o caldo :
- Está um bocadinho insosso. Bem precisava de uma pedrinha de sal.
Também lhe deram o sal. Temperou, provou e afirmou :
- Agora é que, com uns olhinhos de couve o caldo ficava que até os anjos o comeriam!
A dona da casa foi à horta e trouxe-lhe duas couves tenras.
O frade limpou-as e ripou-as com os dedos, deitando as folhas na panela.
Quando os olhos já estavam aferventados, disse o frade :
- Ai, um naquinho de chouriço é que lhe dava uma graça.
Trouxeram-lhe um pedaço de chouriço. Ele botou-o à panela e, enquanto se cozia, tirou do alforje pão e arranjou-se para comer com vagar. O caldo cheirava que era uma regalo. Comeu e lambeu o beiço. Depois de despejada a panela, ficou a pedra no fundo. A gente da casa, que estava com os olhos nele, perguntou:
- Ó senhor frade, então a pedra?
Respondeu o frade :
- A pedra lavo-a e levo-a comigo para outra vez.

 

E assim começou a fazer-se a dita sopa cá na terra!

 

Para quem se quiser aventurar deixo a receita:

 

Receita - Sopa da Pedra

Ingredientes:


- 2,5 l de água

- 1 kg de feijão vermelho

- 1 orelha de porco

- 1 chouriço de carne

- 1 chouriço de sangue (morcela)

- 200 g de toucinho

- 2 cebolas

- 2 dentes de alho

- 700g de batatas

- 1 molho de coentros

- Sal, louro e pimenta a gosto

 

Preparação:
Ponha o feijão a demolhar de um dia para o outro. De véspera, escalde e raspe a orelha de porco de modo a ficar bem limpa.

 

No próprio dia, leve o feijão a cozer em água, juntamente com a orelha, os enchidos, o toucinho, as cebolas, os dentes de alho e o louro. Tempere de sal e pimenta. Junte mais água, se for necessário. Quando as carnes e os enchidos estiverem cozidos, tire-os do lume e corte-os em bocados.

 

Junte, então, à panela as batatas, cortadas em cubinhos e os coentros bem picados.
Deixe ferver lentamente até a batata estar cozida. Tire a panela do lume e introduza as carnes previamente cortadas.

 

No fundo da terrina onde vai servir a sopa coloque uma pedra bem lavada.

 

a receita oficial pode ser lida aqui

 

O Monstro do Lago Ness

De acordo com o doodle do Google, faz hoje, dia 21 de Abril de 2015, 81 anos que o Homem anda à procura do famoso Monstro do Lago Ness...

Uma vez que a lenda do Monstro do Lago Ness é, um dos principais mistérios dos últimos séculos, que continua a ser motivo de inúmeras discussões, hoje vamos aprender acerca dela.

 

Doodle Google

 

O Monstro do Lago Ness, é uma criatura mítica que vive no Loch Ness (Lago Ness), um lago grande e profundo situado na Escócia, considerado a maior extensão de água doce da Grã-Bretanha, que fica perto de Inverness.

Os primeiros relatos do avistamento de Nessie (alcunha carinhosa dada ao Monstro do Lago Ness) foram descritos por São Columbano - um missionário irlandês que converteu a Escócia no cristianismo - ainda durante o século VI. De acordo com o descrito por Santo Adamnan - o biógrafo de São Columbano - "um discípulo de São Columba nadava no lago Ness quando foi surpreendido por um monstro que emergiu, repentinamente, de boca aberta e com um grande rugido, este acontecimento foi testemunhado por vários observadores, que ficaram petrificados de terror". Santo Adamnan continua a sua descrição dizendo que "São Columba não se deixou intimidar e repeliu o monstro, fazendo o sinal da cruz, invocando Deus e ordenando ao monstro que não tocasse no seu discípulo e que desaparecesse imediatamente."

 

Ilustração de São Columba & o Monstro do Lago Ness

 

Durante muitos e muitos séculos, a lenda o Monstro do Lago Ness foi sendo construída e desenvolvida, mas só ganhou, de facto, a importância que tem hoje em 1880, ano em que se dá o primeiro relato oficial do avistamento deste monstro. Foi pedido a Duncan MacDonald, um mergulhador profissional, que fosse ao Fort Augustus, perto do Calendinian Canal, procurar o local exacto onde se teria afundado um navio de carga. Duncan mergulhou até às profundezas do Lago Ness e, enquanto examinava os destroços do navio afundado apercebeu-se de que perto dos destroços, deitada sobre uma grande rocha, estava uma enorme e estranha criatura. Assustado, o mergulhador fez um sinal brusco para que fosse içado de imediato e, ao chegar ao barco de apoio, estava a tremer e muito pálido. Quando finalmente se conseguiu acalmar, disse que tinha visto um animal gigante, parecido com um réptil marinho, uma espécie de serpente marinha.

 

Monstro do Lago Ness

 

O século XX detém o recorde de relatos de visualizações deste monstro.

Em 1923, Alfred Cruickshank avistou, neste lago, uma criatura com cerca de 3 metros de comprimento e o dorso arqueado.

Dez anos depois, em 1933, foi relatado pelo jornal local Inverness Courier, que um casal de hoteleiros - os Mackay - tinham visto um monstro aterrorizante a entrar e sair da água do lago. A notícia era tão sensacionalista, que um circo chegou a oferecer 20.000 libras pela captura do animal.

Em Abril de 1934, a lenda do Monstro do Lago Ness ganha uma outra dimensão. Pela primeira vez alguém conseguia provar a existência desta criatura, através de fotografias. O médico londrino, Robert Kenneth Wilson, que passava férias no local, conseguiu, a uma distância de cerca de 200 ou 300 metros, fotografar um estranho animal, tipo plesiossauro, com um corpo espesso e um longo pescoço que saía das águas. (umas décadas mais tarde, Christian Spurling confessou que, com a ajuda de e Marmaduke Wetherell, tinham forjado a foto - o monstro tinha sido construído em madeira e instalado em cima de um míni-submarino)

 

"Surgeon’s photo" by Robert Kenneth Wilson, 1933

 

Deu-se, então, o boom desta lenda. À volta do lago e de Nessie começou a criar-se uma enorme expectativa, tornando esta região uma forte atracção turística. Passaram a ser feitas visitas submarinas e, até construíram um centro turístico multimédia.

Em 1951, Lachlan Stuart, um guarda-florestal que vivia junto a este lago, afirma ter reparado numa agitação irregular e sinistra nas águas calmas do lago e que, ao se aproximar, viu surgir três bossas de uma massa que se dirigia, em linha recta, à praia. Correu então a casa, para ir buscar a máquina fotográfica e ainda conseguiu tirar uma fotografia, que também ficou famosa.

 

O Monstro do Lago Ness by Lachlan Stuart, 1934

 

Perante esta enorme dúvida, acerca da existência (ou não) de um monstro marinho nas águas do Lago Ness, em 1961 foi criada a Secretaria de Investigação dos Fenómenos de Loch Ness.

Em 1969, numa tentativa de acabar com todas as dúvidas, o submersível Pishes equipado com uma câmara de filmar, mergulhou nas profundas águas do lago, mas não conseguiu avistar o monstro, no entanto descobriu uma grande caverna submarina e algumas partes do lago muito profundas que ainda não haviam sido exploradas.

 

Loch Ness Monster

 

Em 2003, uma equipa da BBC percorreu todo o lago, utilizando mais de 600 leituras de SONAR, fotos de satélite e vídeos, e não encontrou nada. Perante esta situação, a 29 de Maio de 2003, o Governo da Escócia emitiu uma declaração onde negou a existência do monstro, alegando que esta lenda  era apenas o resultado da imaginação ou especulação das pessoas.

Mas, em 2007, Gordon Holmes, um técnico de laboratório, filmou uma criatura preta com cerca de 45 pés de comprimento, movendo-se repentinamente na água. A filmagem foi classificada como original, e acabou mesmo por ser transmitida pela BBC da Escócia, dando um novo alento a esta lenda.

Gravação Monstro Lago Ness by Gordon Holmes, 2007

 

Mais recentemente, em 2013, uma imagem de satélite publicada pelo Daily News veio alimentar, mais uma vez, a possível veracidade desta lenda. Esta fotografia foi estudada durante 6 meses e, aparentemente, estará isenta de qualquer tipo de manipulação, havendo no entanto alguns cépticos que argumentam que se tratará apenas de um barco, enquanto os mais entusiastas afirmam que é mais um indício de que a o Monstro do Lago Ness pode, de facto, existir.

 

Imagem de satélite by Daily News, 2013

 

A comunidade cientifica rejeita a existência desta criatura, uma vez que, seria quase impossível, um animal durar mais de 1500 anos. Pressupõe-se, portanto, que terão existido mais do que um monstro, que tanto pode ter sido um peixe do tipo enguia gigante; como um mamífero do tipo foca ou uma baleia gigante; como ainda um plesiossauro (espécie de réptil extinto há 70 milhões de anos), apesar desta última hipótese ser a menos  credível, pois o lago, mesmo com a sua enorme área abrangente, nunca possuiria os meios ou recursos necessários para comportar, durante infindáveis milénios, um animal (muito menos, um grupo!) de enormes dimensões.

 

 

Fontes:

Infopédia - Monstro de Loch Ness

Wikipédia - Monstro do lago Ness

Viagens & Imagens: Lugares Especiais - Lock Ness, o misterioso lago da Escócia

Os carreiros da História: Montro de Loch Ness - Realidade ou Ficção?

 

Post também publicado aqui

Europa

 

 

 

 

Esta é uma pequena lenda de amor grega.

Havia uma linda e jovem princesa fenícia, chamada Europa. Vivia com os pais num belo castelo e gostava de dar passeios com as amigas pelo bosque.

Um dia, quando estava a apanhar flores junto ao rio, foi avistada por Zeus (deus supremo), que se encontrava no Olimpo. Deslumbrado com tanta beleza, decidiu raptá-la! Com medo que a sua mulher o visse, transformou-se num touro. Deitou-se aos pés da jovem princesa, e esta ficou encantada, com aquele animal tão meigo e manso. Depois de o mimar, ela senta-se no seu dorso, e Zeus começa a voar por cima do oceano. A princesa ficou assustadíssima.

Muito triste, implorava-lhe que não a deixasse sozinha, e ele prometeu levá-la para um sítio magnífico fora da Ásia. E assim foi, instalaram-se na ilha de Creta e tiveram três rebentos. 

O nome da princesa, Europa, ficou celebre, agradando aos poetas da Grécia Antiga, que começaram a chamar de Europa aos territórios para lá da Grécia. E agradou ao historiador Heródoto, que no século V a.C começou a apelidar de Europa todo o continente.