Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aprender uma coisa nova por dia

Nem sabe o bem que lhe fazia

O que fazer e NÃO fazer na entrega do IRS

Espero que, praticamente, todos já tenham procedido à entrega da declaração. Mas, como bons portugueses que somos, ainda existe muita gente que só o vai fazer neste fim de semana prolongado. Ainda tem até ao Sábado da próxima semana para o fazer. 

 

Mas, o meu primeiro contributo aqui para tão distinto blog, é noutra vertente. 

Quem já entregou o IRS notou que a entrega está muito simplificada. Se não complicarem, para realizar a entrega basta terem o documento do banco, com o valor dos juros que pagaram (sendo que o que interessa é saber o NIF da entidade bancária onde o vosso empréstimo está registado) ou o documento com o valor que pagaram do arrendamento da casa, a caderneta predial da habitação (ou o contrato de arrendamento) e a vossa senha. 

Todos os outros valores dedutíveis já se encontram lá registados. E o valor dos juros só é necessário preencher o anexo H, caso tenham reembolso (ou pagamento...), pois se não tiverem feito retenções ou a simulação, só com os valores das despesas gerais, saúde, lares e educação, der a devolução total do valor, podem poupar o trabalho de preencher o anexo H, pois não fará qualquer diferença. Basta aceitarem que existem deduções no campo de imóveis e que não as querem usar, para proceder à entrega do IRS. 

Isto já toda a gente que entregou ou viu o programa de entrega, conseguiu descobrir. 

Agora, chego à parte de que vos queria falar hoje. Desde há 2 anos para cá, existem entidades privadas a "oferecer" programas/aplicações que, dizem, facilitar a entrega da declaração. 

Uma coisa que qualquer pessoa deve saber é que "não existem almoços grátis". Ninguém dá nada a ninguém. Ao disponibilizarem essas utilidades, existe alguma forma de obterem rendimento, graças a criarem um novo interface para o programa das finanças. Sim... não sabiam? TODO o programa que estas entidades "desenvolvem" é o mesmo que está disponível no site das finanças. Só lhe adicionam publicidade e outras coisas, que a maioria dos utilizadores nem dá por isso. Coisas essas que irão trazer dividendos para o trabalho que tiveram a modificar e adicionar essas funções ao programa original. 

Se não forem pela publicidade do "sem custos", já pensaram que alguém terá perdido dezenas de horas a reprogramar aquela estrutura... e que não vai receber 1 cêntimo por esse tempo de trabalho? 

Quando se usam palavras Grátis, Oferta e não custa nada, ETC. as pessoas ficam com a ideia do "não pago nada e ainda tenho lucro". Isso é a maior mentira que se prega. 

Imaginem lá que vão a uma loja de roupa nus/nuas e que vos oferecem roupa para vestirem. Para vocês é excelente. Ganharam meia dúzia de peças de borla. Certo? Errado. É que não leram as letrinhas das condições, que estavam no fundo do cartaz que a loja fez para aquela situação, onde diz que oferecem a vossa imagem para qualquer publicidade, assim que entram na loja. E não podem contestar, pois aceitaram as condições ao tirarem a roupa e entrarem pela porta da loja adentro. Com estes programas é a mesma coisa... ou pior. 

Por isso, desinstalem programas que obtiveram de qualquer outro site que não o próprio site das finanças. 

Para quem ainda não entregou o IRS, vá ao www.portaldasfinancas.gov.pt , escolham Cidadãos-Entregar-IRS (ou o quadrado que diz Entregar IRS) e serão enviados para a página de login. Usem a vossa senha com o número de contribuinte. Do lado esquerdo surge um menu onde podem consultar as despesas dedutíveis e onde existe um campo que diz Download. Carreguem-lhe. Instalem esse programa (É o único que é seguro!!! Usem a versão de 32 bits que funciona em qualquer computador com Windows) no vosso computador e não se assustem com o bonequinho azul que surge no vosso ambiente de trabalho. A partir daí, é só fazerem o pré-preenchimento. (Aos casados e unidos de facto, façam simulações individualmente e em conjunto. Não se esqueçam de introduzir os números de contribuinte dos descendentes ou familiares a cargo, no rosto.) Carreguem no botão superior onde diz validar. A janela do programa fica dividida ao meio. Leiam o que está na parte de baixo, carreguem nas palavras em azul e a parte de cima da janela muda para esse campo. É só lerem a pergunta e colocarem cruzinhas. Depois de carregarem no validar e em baixo dizer "Não foram encontrados erros", carreguem no simular. Nesse momento o programa irá buscar as vossas deduções. Se olharem para a coluna da direita, vão ver que não preencheram o anexo H mas, tem um valor total de deduções. Esse valor é automático com base nos valores registados no E-factura. Se tiverem valor a receber, inferior ao valor retido e tenham empréstimos para habitação permanente, concedidos até 31 de Dezembro de 2011, ou residam numa habitação arrendada, adicionem o anexo H e no quadro 6, criem uma linha nova e preencham os dados. Voltem a usar o validar. Voltem a simular e notem que o valor das deduções subiu. Está tudo ok? Carreguem no submeter e introduzam as senhas. Recebem a janela de IRS entregue. Apontem o número e a data-hora. Quando receberem o email de que se encontra válido, podem deitar esses dados fora. 

Por isso, ignorem qualquer outro site que vos ofereça serviços das finanças... finanças só existem os serviços públicos. Tudo o resto tem uma forma de ser pago, mesmo que não tenham de dar dinheiro. 

 

Aproveitando esta, quem for ao E-factura agora, pode notar que ainda não existe campo para as despesas com veterinários de animais de companhia. Isso é devido ao orçamento de estado ter sido aprovado há menos de um mês e o site ainda não ter sido actualizado com a nova legislação. Deixem as facturas de cuidados veterinários na secção das pendentes. Ignorem-nas agora. Quando o site for actualizado, poderão indexar o IVA dessas despesas ao campo respectivo, permitindo a dedução de 15% do valor do IVA pago. 

2 comentários

Comentar post