Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aprender uma coisa nova por dia

Nem sabe o bem que lhe fazia

O Pão caseiro

Depois da sopa da pedra, hoje venho contar-vos que aqui, na terra de Almeirim, não chamamos "bolas" aos pequenos pães de forma arredondada... não, esta é uma terra muito especial, ainda que digam que "Almeirim é terra de gente ruim", eu até acho que há aqui muito boa gente!

 

E portanto alguém, não sabemos quem, mas que era boa gente com certeza, lembrou-se de chamar a este pão:

 

transferir.png

 

o nome de caralhotas. Sim, é verdade. 

 

 

Não acreditam? 

 

Vão ler lá no Priberam.

 

Já foram?

 

Ora muito bem, agora que já aprenderam uma coisa nova vem aí a segunda que é:

 

E porque razão o pão tem este nome?

simples, "Caralhota é como se chama ao borboto das camisolas. Havia uma velhinha que estava a cozer pão e a filha raspou o alguidar e fez uma bolinha com os restos. Quando a senhora perguntou o que estava a fazer, respondeu: ‘Uma caralhota, mãe.' E ficou assim", eu confesso que também não sabia a razão...


 E como não há duas sem três, vamos aprender mais uma coisa:

 

Tentar fazer as caralhotas em vossas casas. Eu, mulher prendada mentira digo-vos como se fazem. Podem ser feitas em qualquer forno, quem não tem de lenha faz no forno normal que tem na cozinha!

 

Ingredientes 

1 kg de farinha sem fermento

10 gr de fermento de padeiro (não é aquele do supermercado, compra-se na padaria)

água quente/morna

Sal grosso

Papel vegetal daquele dos bolos

 

Preparação

Ligar o forno (180º)

Num alguidar de barro, ok, pode ser de plástico, coloca-se a farinha.

Numa taça coloca-se o fermento, um pouco de água e o sal, basta uma mão fechada com sal, isto é enche-se a mão, mas fecha-se  sai o excesso. Uma mão-cheia por cada quilo de farinha.

Depois do sal derretido e do fermento dissolvido misturar na farinha e ir acrescentando água e amassando (sim, com a mão) até a massa ficar "elástica"

Tapar o alguidar com um pano e deixar num sítio morno (ou embrulhado numa coisa quentinha)

Meia hora depois, colocar o papel vegetal no tabuleiro e colocar farinha, e com ajuda da farinha ir moldando as bolas de massa, convém deixar espaço entre elas para quando crescerem não se colarem.

 

Vai ao forno e em quinze minutos têm a casa a ser inundada com cheirinho de pão quente!

 

Eu faço quase todos os fins de semana e deixem que vos diga, com manteiga, é bom que se farta!

 

6 comentários

Comentar post