Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aprender uma coisa nova por dia

Nem sabe o bem que lhe fazia

do menino da lágrima

quem não conhece o quadro da criancinha que chora, copiosamente, com o cabelo lambido e um ar deprimido de quem acabou de ver o testículo esquerdo (ou direito, não creio que faça grande diferença) esmagado?

toda a gente, evidentemente, a não ser a magda (mas isso é outra história).

Quadro Menino Lágrima.jpg

 

esse é o "menino da lágrima": vinte e sete obras pintadas pelo italiano conhecido como giovanni bragolin, entre as décadas de 1970 e 1980. 

porque é que falo dele? porque é bem.... sinistro!

o que se diz é que esta criancinha, à laia dos emigrantes do mediterrâneo era órfão. só que em vez de a família morrer por afogamento morreu num incêndio. mais fresquinho, portanto.

ora, como os pais tinham morrido esturricados e só sobrava ele (de certeza que sem aquele cabelinho à beto - terá vindo daqui a moda do outro bimbo do justin?) o bragolin depois de o retratar nessa dor decidiu acolhê-lo como um filho (idiota). nesse mesmo dia (ou noutros, pronto, o que interessa é a continuidade da história) o padre da aldeia do pintor tentou avisa-lo que a criancinha atraía o azar e que por onde passava se espalhava o infortúnio, sendo mesmo conhecido como o el diablo.

o outro, tolinho, não quis saber e criou o puto como um filho.

é neste momento que, num lindo dia de sol (ou de chuva, sei lá, ou de noite, não sei, pronto, num dado momento) um incêndio lhe destruiu o atelier e a fortuna (parece que não existiam multibancos na altura). desgraçado e nas ruas da amargura (e sem o apoio do bimbo chorão que fugiu sem deixar rasto) o pintor não só deixou de conseguir vender as suas obras como entrou numa profunda miséria, acabando por, em desespero de causa, fazer um pacto (não sei se ainda é pacto ou pato, mas não me parece que pato se enquadre aqui) com o diabo: em troca da venda dos seus quadros vendia a sua alma.

tudo muito lindo até aqui, não fossem as certezas de muita gente que o pacto resultou.

na verdade, as obras espalharam-se como cogumelos e ainda se encontram umas quantas em várias casas (a minha bisavó, por exemplo, tinha uma ao lado do papa e do salazar. com a nossa senhora de fátima abaixo e um ramo de rosas). 

pior, pior? também reza a lenda que anos mais tarde, as casas onde estava o dito quadro tinham tendência a sofrer de estranhos incêndios, queimando-se tudo excepto o quê? pois, a carinha laroca da criancinha (farto-me de dizer que as criancinhas são maléficas, mas ninguém me liga nenhuma!).

mais! a quantidade em casas incendiadas onde existiam cópias do quadro foi tão grande, que espalharam-se rumores por toda a grã-bretanha, dando forma a uma maldição. assim, perante a quantidade de gente que se queria livrar do quadro, o jornal the sun (londres) passou a recolher as reproduções, com o apoio dos seus leitores, para que fossem destruídas, tendo sido incineradas centenas delas perante alguns membros do corpo de bombeiros local.

 

de qualquer das formas, mesmo que esta porcaria não fosse verdade, afinal que sádico quer um quadro daqueles na parede da sala?

(atenção que a minha bisavó não era sádica!)

 

inté, pessoal!

4 comentários

Comentar post