Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aprender uma coisa nova por dia

Nem sabe o bem que lhe fazia

Cavala: um peixe saudável

 

cavala.jpg

 

É comum ouvir dizer: “Já não há alimentos saudáveis!” De facto, o avanço científico e tecnológico dos últimos anos, para além da utilização de múltiplos materiais/produtos de natureza duvidosa - em termos de consequências para a saúde do Homem -, conduziu, também, à degradação da qualidade do ambiente. Ora, como grande parte dos alimentos são oriundos do solo e da água, a sua contaminação natural é mais do que óbvia.

 De qualquer modo, comer peixe em detrimento da carne, ainda é, para alguns, a opção mais saudável, tendo em atenção o tipo de nutrientes presentes em ambos os alimentos. Mas, também, não deixa de ser verdade que, no caso dos peixes, o fenómeno da bioacumulação[1] é mais significativo.

 Face a isto, caso optamos pelo consumo de peixe – dizem os entendidos na matéria -, é preferível selecionar peixes de níveis tróficos mais baixos – por exemplo, consumidores de 1ª ordem [2]– uma vez que a concentração de substâncias, no organismo, aumenta de nível trófico para nível trófico, ao longo das cadeias alimentares.

 Ora tendo em atenção que a cavala é um peixe planctívoro[3], logo consumidor primário, deverá conter menos quantidade de compostos suscetíveis de provocar bioacumulação nos tecidos: como o mercúrio, o chumbo, o cádmio, ou outros.

 Neste sentido, lembrei-me de uma recomendação dada, por um formador, no decurso de um workshop sobre “dieta mediterrânica”: “Comer cavala[4], um peixe rico em termos nutricionais, é mais saudável do que comer salmão ou atum!”

 No entanto, a grande maioria das pessoas tem uma opinião diferente. Diria, até, uma opinião redutora relativamente à cavala. Apesar de alguns cozinheiros (conhecidos do grande público) utilizarem a cavala na confeção de pratos culinários do tipo gourmet, é frequente ouvir comentários do género: “Cavala é peixe-azul!”; “É peixe dos pobres!”; “ É um peixe muito seco!” Ideia errada, julgo, pois a cavala, para além de ser um peixe saboroso, é rico em ácidos gordos ómega 3.

 

NOTA: recomendo a cavala escalada na brasa ou papelotes de filetes de cavala (temperados com ervas aromáticas, alho francês e batata doce) no forno. Delicioso!

 

Imagem retirada daqui: lifestyle.sapo.pt

 

[1] Absorção e acumulação de uma (ou mais) substância(s) no organismo de um ser vivo.

[2] O mesmo que consumidor primário; neste caso, que consome plantas ou plâncton.

[3] Que se alimenta de plâncton.

[4] Cavala comum (Scomber japonicus).

 

1 comentário

Comentar post