Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Aprender uma coisa nova por dia

Nem sabe o bem que lhe fazia

Arrendo ou alugo?

Quem não viu já, por esse país fora, nas janelas das casas, os famosos cartazes "alugo" ou "alugo à época"?

(confesso que, quando vejo estes tenho sempre vontade de telefonar a perguntar pela D Época, já que parece que só quem se chama Época os pode alugar)

Mas será esse o termo correcto? Aluga-se? Ou o mais correcto será arrendar? Ou será que tanto faz porque são sinónimos?

Pois bem, vamos lá tentar esclarecer esta dúvida.

Juridicamente falando, diz o artigo 1023º do Código Civil, que “a locação diz-se arrendamento quando versa sobre coisa imóvel, aluguer quando incide sobre coisa móvel.” 

Deduz-se, portanto, que se arrendam casas e alugam-se carros. E juridicamente sim, é mesmo assim.

Mas a língua portuguesa não serve apenas a lei. Se pegarmos num dicionário, vamos ler que alugar e arrendar são sinónimos no que se refere a dar ou tomar alguma coisa de renda ou aluguer. Alugar significa: dar ou tomar alguma coisa de aluguer; arrendar; prestar ou receber serviços mediante retribuição; assalariar. E arrendar significa: dar ou tomar em arrendamento; guarnecer com rendas; dar forma de renda a; sujeitar o cavalo à rédea, antes de ser usado o freio; cavar segunda vez a vinha ou o milheiral para tirar as ervas.

Li também por ai que, analisando a etimologia das duas expressões, podemos verificar que o verbo alugar deriva do latim “allocare” que significa ceder um lugar (imóvel) para um determinado propósito, por sua vez o verbo arrendar tem como origem a palavra renda e está associado a rendimento, não há a priori uma distinção para o caso de bem móvel ou imóvel razão pela qual se podem arrendar ou alugar casas. 

Depois temos ainda quem defenda que, nos arrendamentos de muita curta duração (casas de férias, salas para casamentos ou aniversários, etc) a palavra aluguer pode estar correcta porque não existe um rendimento periódico (renda).

Confusos? não estejam. Este é apenas mais um caso que prova que a língua portuguesa é traiçoeira.

 

4 comentários

Comentar post