Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aprender uma coisa nova por dia

Nem sabe o bem que lhe fazia

Decoração de Interiores - Cores IN

Quando o assunto é arregaçar as mangas e decorar a casa ou uma área na qual vamos passar algum tempo e receber é necessário ter algumas coias em consideração uma delas - que considero uma das mais importantes pois a nível visual é aquilo que causa maior impacto - a pintura dos espaços.

Existem já várias marcas de tintas que colocam à disposição do comprador uma variadissima gama de cores e texturas adequadas aos gostos e ao bolço de cada um. 

Mas, uma das coisas mais importantes é saber COMO conciliar certas e determinadas cores para que os espaços tenham alguma harmonia entre si.

Ficam aqui algumas ideias de combinações que estão na moda 

ff289c02ead10037596e89a803976b2e.jpg

 

Imagem retirada de: Pintrest

 

As cores podem ser combinadas ou não no mesmo espaço onde também se começa a ver aplicações/imitações de pedra/madeira/tijolo.

Fiz uma pequena galeria para mostrar alguns tons combinados nos espaços.

 

Combinações Outono/Inverno 2016 / 2017

E como o Outono está aí a chegar e as ladies já andam a fazer as "trocas" de toilete de Verão para as roupas mais quentes - aqui ficam algumas dicas de combinações de cores/tons para esta próxima estação que vão estar em destaque nas lojas!

Espero que gostem!

 

Relatório CASA - A realidade do país

Todos os anos cabe ao Departamento de Desenvolvimento Social e Programas/ Unidade de Infância e Juventude a recolha de dados e a elaboração do Relatório de Caracterização Anual da Situação de Acolhimento das Crianças e Jovens.

 

Este relatório pode ser consultado no site da segurança social, ver aqui.

 

Basicamente este relatório contem a informação mais fiável da realidade das crianças e jovens retirados às suas famílias de origem - por se encontrarem em situação de risco - e que dão entrada em instituições de acolhimento.

 

Parar alguns minutos e ver os números apresentados podem dar-nos uma noção da quantidade de crianças e jovens institucionalizados inseridos nos mais variados anos.

 

De acordo com o relatório de 2015, podemos ver que:

 

«Quanto aos escalões etários, e conforme se pode verificar no gráfico supramencionado, realçam-se os escalões etários com maior representação de crianças e jovens os quais não apresentam alterações significativas face a 2014.

15-17 anos – 3.046 (35,4%)

 12-14 anos – 1.738 (20,2%)

 18-20 anos – 1.156 (13,4%)

Por outro lado, verifica-se uma menor incidência nos seguintes escalões etários:

 4-5 anos – 352 (4,1%)

 10-11 anos – 678 (7,9%)

 0-3 anos – 745 (8,7%)

 6-9 anos – 885 (10,3%)

 

Permanece assim a tendência apurada ao longo dos anos com os adolescentes (12- 17 anos) a corresponderem à maior percentagem em situação de acolhimento (55.6%- 4.830),ou seja, mais de metade dos indivíduos com medida de acolhimento está a atravessar a fase da adolescência (face a 2.660 - 30 % dos 0-11 anos)»

 

 

Esta é a nossa realidade, este relatório deve ser conhecido, lido e relido. Aqui fica a minha contribuição para que mais pessoas possam conhecer a realidade nos números alarmantes de crianças e jovens institucionalizados em Portugal.

 

 

Minuto de silêncio

Ora o minuto de silêncio que hoje em dia se faz em todo o mundo foi justamente "inventado" em Portugal. Neste minuto em que respeitosamente todos procuram estar em silêncio em memória de alguém que morreu, as pessoas demonstram assim a sua solidariedade para com a família e uma breve homenagem à pessoa em causa.

 

O curioso é saber que tudo começou em 1912 com a morte de uma barão que era ministro dos negócios estrangeiros no Brasil. O Barão chamava-se José Maria Paranhos Junior, e era uma pessoa muito querida em Portugal. Ora a sua morte foi um acontecimento que marcou bastante o povo brasileiro, de tal forma que os festejos do carnaval foram adiados para não coincidir com o luto nacional.

 

Sendo este barão tão amado no Brasil como em Portugal, os deputados suspenderam a reunião de câmara por meia hora como era já habitual, no dia seguinte já em reunião de senado foram feitos 10 minutos de silêncio - facto relatado no jornal Diário de Notícias, os primeiros de que há registo. E assim sempre que uma pessoa ilustre morria era assinalado o facto com o silêncio. 

 

De dez minutos, passou a cinco e de cinco passou a um, como se faz hoje em dia. Daqui passou para a Europa e da Europa para o mundo.

 

 

 

fonteAqui

 

 

 

Como simular o valor patrimonial das habitações

Depois da palhaçada toda e do pânico sobre o IMI e depois de várias campanhas (algumas delas com objectivos promocionais secundários), muita gente continua a não existir conhecimento sobre como são feitas as avaliações que dão origem ao valor patrimonial que é usado para calcular o pagamento do IMI (imposto municipal sobre imóveis). 

Por isso, é necessário começar por uns conhecimentos básicos, que deviam ser do conhecimento de qualquer proprietário de uma propriedade territorial. 

O Valor Patrimonial não é o valor de escritura. O valor da escritura é usado para o pagamento do IMT (sendo que o valor patrimonial pode ser usado se for superior, para evitar negócios com valores de 50000 euros para a compra de uma casa, quando as finanças a avaliam por 150000 euros). O valor patrimonial é calculado com base numa quantidade (gigantesca) de coeficientes. Alguns deles são subjectivos e dependem do que cada Câmara Municipal e Junta de Freguesia registam. 

Esse valor está,bastante, automatizado. Só que, em demasiados casos, o valor registado acaba por ser superior ao valor real. Porque a legislação diz que existe uma actualização do valor patrimonial, baseado na inflação, a cada 3 anos. Em 2012 foram actualizados quase todos os valores. Só que, existiu uma excepção que foram as casas transferidas de proprietário (vendidas, doadas ou registadas) desde 2003 a 2011. A maioria dessas casa mantiveram as avaliações em que o valor por m2 estava em 615 euros. E continuaram a ser actualizadas com as taxas de inflação que chegaram a estar acima do 2%. Ora desde 2008 que o valor por m2 passou a ser de 603 euros. E já tem 2 dos coeficientes. A dimensão da casa e o valor por m2. Como podem notar, quem ainda tiver a avaliação a 615 euros por m2, são 12 euros por cada m2 só neste coeficiente. 

Agora passando para a parte prática, o que é que precisam para verificar se o valor patrimonial da vossa casa está demasiado alto, dando origem ao pagamento anual a ser superior ao que devia ser. 

Precisam da senha do site das finanças para obterem a caderneta predial actualizada. 

caderneta predial

Com a caderneta, tem os dados necessário para preencher boa parte das informações, a parte objectiva. Com isso, existe um site, disponibilizado pelas finanças que permite simular esta conta que está no final da caderneta. 

Esse site dá para nome de SIGIMI (Sistema de Informação Geográfica do Imposto Municipal Sobre Imóveis). (Podem procurar em qualquer motor de busca que vão lá parar.)

sigimi

Ao entrarem no site tanto podem localizar a vossa freguesia ou inserirem a morada completa.

Ao fazerem isso, carreguem em cima do edifício ou da vossa casa.

morada

Ao carregarem em cima da vossa residência, surge um ponto azul que mostra o coeficiente de localização. Este coeficiente é decidido pelas câmaras municipais, a cada ano, baseado em mais de 200 critérios. Durante todo o ano esse é o coeficiente aplicado, por isso, a partir de 2 de Janeiro cada sítio pode subir ou descer o seu coeficiente. Em 2015 existiu um salto "gigantesco" nestes coeficientes nas áreas urbanas, pois uma alteração sobre o acesso ás autoestradas, levou a triplicar a sua importância na localização. 

Neste campo, existe um campo que não é automático mas, vão precisar dele, caso tenham uma vivenda. No fundo estão as moradias unifamiliares. Esse coeficiente é necessário de introduzir manualmente no próximo passo. Se possuírem uma dessas, apontem esse valor num papel. Carreguem no número que está na parte superior do quadrado onde diz Habitação (ou o que tenham na caderneta predial). Vai abrir uma nova janela. Não se assustem.

dados

Aqui é onde vão precisar de preencher os dados, que tem na caderneta predial.

 

Propriedade Total com ou sem divisões= Vivenda

Fracção de Prédio em regime de propriedade horizontal= Apartamento

Idade do edifício, é o ano de inscrição na Matriz. 

Os coeficientes de qualidade e conforto é onde existe a subjectividade. Esses coeficientes, vocês só conhecem 1 deles: se possuírem uma vivenda, lembram-se de ter dito ali em cima para apontarem um valor? Inscrevam esse valor no campo que diz moradia unifamiliar. Os que pedem valores deixem em branco. Nas cruzinhas, a maioria é da vossa informação. Se tem garagem colectiva, se tem piscina... se não tem redes de gás, água, electricidade ou esgotos. Caso algum se aplique, coloquem a cruzinha. 

Depois, é os campos que precisam de MUITO cuidado a preencher. Aqueles dados estão na caderneta predial. Procurem onde tem as informações sobre as áreas, preencham os valores tal e qual como estão registados na caderneta predial. 

total

E aqui tem o valor simulado da vossa casa. Agora aqui existe uma coisa que aplico que é por causa daqueles valores subjectivos. Sem eles, tem de usar uma margem de 5000 euros. Se o valor simulado (com todos os campos disponíveis bem preenchidos) for 5000 euros inferior ao que tem na vossa caderneta predial, devem proceder à entrega do Modelo 1 do IMI seleccionando o campo 13 Pedido de Avaliação. Atenção é que só podem fazer isto 1 vez a cada 3 anos civis sem pagar. Por isso, é que usam aquela margem dos 5000 euros. E se o valor vier superior aquele que tem registado... tem de pagar IMI durante, pelo menos, 3 anos até poderem vir a alterar.  

Para além deste campo, existe um outro que devem notar na nota de cobrança do IMI que é a taxa que cada câmara cobra. Neste momento esse valor está compreendido entre 0,30% e 0,45%. No mês de Novembro, cada câmara municipal decide qual é o valor que vai cobrar para o ano seguinte. Assim que o valor for publicado (normalmente as câmaras informam nos seus sites ou podem consultar o diário da República) podem fazer a conta, bastando multiplicar o valor patrimonial pela percentagem aplicada pelo vosso concelho. E tem quando vão pagar de IMI nesse ano. 

 

Conselho: Se compraram casa após 2003 e ainda tem o valor por m2 em 615 euros, é muito provável que tenham uma redução, bastante interessante, no valor patrimonial ao pedirem a nova avaliação. Se a casa é mais antiga, a avaliação de 2012 subiu o valor patrimonial já para a base de 603 euros por m2. Se realizaram o pedido de actualização entre 2012 e 2014, deixem-se ficar quietinhos. Qualquer avaliação que façam agora, vão levar, no mínimo, com 0,4 a mais só no coeficiente de localização (até mesmo se viverem em aldeias). O que implica que o valor que foi actualizado automaticamente em 0,16%, é inferior ao valor pelo qual a casa seria avaliada actualmente. 

Pág. 2/2