Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aprender uma coisa nova por dia

Nem sabe o bem que lhe fazia

Que letras são aquelas que aparecem nos empréstimos?

Quem já pediu créditos para alguma coisa, já notou que existem várias sequências de letras, muitas delas sem qualquer explicação sobre o que significam?

Ou quando passam por um banco tem cartazes a anunciar empréstimos para habitação, viagens, carros e outros serviços e tem umas letras com as percentagens, que obriga o cliente a saber que é que aquelas letras querem dizer e porque é que são diferentes. 

Em vez de estar a explicar letra a letra com as definições técnicas (nalguns casos são mais de 200 páginas), resumo-as ao seu mais básico significado. 

Taxa de Juro- É a taxa que é paga pelo empréstimo. Representa o valor base pago (que pode ser variável, sendo o exemplo mais simples a Euribor, ou fixa) na mensalidade.

Spread - É o lucro do banco. Este valor é quanto o banco/financiadora têm de lucro, anualmente, com o dinheiro que emprestam.

Comissões - São os valores que o banco/financiadora cobra pela prestação dos seus serviços (como o envio dos recibos, abertura de dossier, tratamento de dados e outros serviços).

Seguros - São os seguros ligados aos créditos. Em muitos bancos/financiadoras, existem seguros obrigatórios, como o seguro de vida, seguro de crédito (obrigatório no caso de crédito ao consumo) e de acidentes pessoais. Todos os seguros ligados ao crédito para habitação são pagos à parte. No crédito ao consumo o seguro de crédito é obrigatório e, dependendo da financiadora, podem ser pedidos alguns tipos de seguros de vida.

Vamos começar pelos empréstimos para a compra de bens ou serviços. Existem diferenças entre o que é apresentado para este e as usadas no crédito para habitação. 

Quando fazem uma simulação ou estão a ver um panfleto de uma financiadora, desde 2009, que é obrigatório terem 3 referências: TAN (Taxa Anual Nominal), TAEG (Taxa Anual Efectiva Global) e Montante total imputado ao consumidor.

A TAN é o valor cobrado pelo dinheiro emprestado, ano a ano. Esta percentagem é a taxa de juro somada ao spread, que são cobrados pela financiadora. Depois existem seguros, comissões por pagamento, comissões por serviços prestados e taxinhas, que são agregados ao valor pago nos juros e spread. É aqui que entra a TAEG. Esta taxa tem de incluir TUDO o que está agregado ao crédito, por obrigação. Isto é, se tiverem uma TAN de 9% e uma TAEG de 12%, quer dizer que, anualmente, pagam 9%, entre juros e spread, ao que é preciso somar mais 3% de outras coisas ligadas ao crédito obtido (comissões de serviço, seguros de crédito e outras despesas, relacionadas com o processo). 

A maneira mais simples de comparar é o montante total imputado ao consumidor. (Para o mesmo número de prestações e valor requerido.) 

Por isso, quando forem comparar empréstimos, ignorem a TAN. Comparem é a TAEG e o valor imputado ao consumidor. (Façam as simulações para o mesmo número de prestações.) 

 

Por outro lado, no caso do crédito para habitação, os valores são apresentados com referências: TAN (Taxa Anual Nominal), TAE (Taxa Anual Efectiva) e a TAER (Taxa Anual Efectiva Revista). 

A TAN é a mesma do crédito ao consumo. É a taxa de juro mais o spread, contabilizados anualmente.

A TAE é semelhante à TAEG (não engloba os seguros, como acontece nos créditos para consumo). É a taxa anual cobrada pelo banco, já incluindo as comissões e despesas que o banco cobra(como despesas pelo envio dos extractos ou recibos) pelo empréstimo. Esta é a melhor forma de comparar, directamente, os valores cobrados.

A TAER é a taxa que o banco cobra incluindo as bonificações atribuídas por subscrição de produtos financeiros da instituição. Esta taxa permite saber o valor total, que o cliente vai pagar pelo empréstimo. Ao mesmo tempo, permite comparar as bonificações que o banco oferece, em troca do cliente pagar outros serviços ou subscrever produtos financeiros. Normalmente, a diferença é aplicada no spread, que é reduzido, em troca do cliente contratar produtos financeiros da banca (conta ordenado, cartões de crédito, carteiras de títulos e outros serviços financeiros). Cada produto agregado deve possuir uma referência individual da percentagem reduzida(ou ao pacote de produtos). Caso o cliente não cumpra o acordado (como por exemplo, ter de realizar pagamentos no valor, mínimo, de 600 euros com o cartão de crédito a cada semestre ou ano), o valor bonificado é anulado. Confiram essas condições para não acabarem por ver a bonificação desaparecer e a terem de pagar comissões inesperadas.

No caso dos empréstimos para habitação, os seguros são subscritos à parte e não são agregados às taxas apresentadas, podendo ter algum valor que afecte a TAER, quando são subscritos a uma seguradora ligada ao grupo agregado ao banco. Sendo que podem pedir a simulação no banco, que vos fornece informação sobre os seguros das companhias com quem trabalha e as condições base mas, podem ir a outras seguradoras, apresentar as condições oferecidas pelo banco e pedir a simulação do seguro para comportar aquele crédito. (Os seguros de vida costumam ser obrigatórios e muita gente aceita-os como o banco os oferece, sendo que o prémio é superior ao valor comercial corrente para as mesmas coberturas.) 

Em resumo: se vão pedir um empréstimo para a aquisição de bens ou serviços, comparem a TAEG e o Montante total imputado ao consumidor. 

Se vão pedir um empréstimo para habitação, comparem TAE e a TAER. 

Em ambos os casos, façam as simulações para os mesmos prazos de pagamento e as mesmas condições de subscrição. 

No crédito ao consumo, a diferença de um trimestre, pode dar diferenças que levam a uma pior escolha. No crédito para habitação, a diferença costuma andar em blocos de 5 anos e depende muito dos serviços agregados, pelo que a TAER pode enganar, se não conferirem o que subscreveram. 

E atenção aos seguros, que são subscritos em clausulas secundárias nos contratos. Se não precisam deles para as condições base, podem não os aceitar sem qualquer prejuízo para o acordado. 

 

Como disse, isto é uma versão muito simplista e que ajuda a perceberem o jogo de números feito pelos bancos e financiadoras. Só que são serviços que tem, demasiados, túneis. Nunca acreditem quando alguém que vende seguros ou vos quer levar a subscrever um crédito, vos diga que todas as condições são transparentes... isso é algo que não existe.