Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aprender uma coisa nova por dia

Nem sabe o bem que lhe fazia

Um truque simples para ter mais likes na minha página de Facebook.

Disclaimer: Não se deixem enganar por fórmulas mágicas. A única coisa que traz mais pessoas a um blog ou página de Facebook ou Instagram é bom conteúdo ("bom" é relativo, mas digamos antes: conteúdo de interesse para determinado público). Se já leram alguma coisa sobre marketing digital encontraram muitas vezes a expressão "o conteúdo é rei" e muito embora seja uma área sempre em evolução, esta é a verdade que nunca ficou ultrapassada. 

Mesmo os passatempos são como pensos rápidos: a página chega a mais pessoas e de repente tens ali um punhado de seguidores novos, mas se não provares que mereces a sua atenção gerando interesse, é certinho que no final do passatempo o número de fãs volta a descer. A mesma coisa com os anúncios pagos, trocas de menções ou quaisquer truques fáceis para chamar mais gente. Trazê-los até pode ser relativamente simples, mantê-los é que é "o delas". 


Mas sim, tenho uma técnica para partilhar convosco que descobri recentemente e tenho aplicado com bons resultados. Porquê? Porque respeita a máxima do conteúdo ser mais importante e basicamente ensina a "repescar" as pessoas que já mostraram gostar do conteúdo que produzimos.

 

Convidem as pessoas que gostaram das vossas publicações a gostarem da vossa página. 

É mais comum do que seria de esperar. Muita gente (amigos de seguidores, sobretudo) acaba por interagir com os posts de uma página sem se dar ao trabalho de gostar da página - ou mesmo achando que já gosta, visto que ela aparece às vezes no feed (por via da interação de outros, seus amigos). 


Passo 1: Identificar posts com vários likes/gostos e abrir a lista de pessoas que reagiram ao post. 

Post Maria das Palavras no Facebook

 

Passo 2: Na lista de pessoas surge um botão ao lado que dirá Invite / Convidar quando a pessoa não tiver já assumido que quer seguir a página. É só clicar nele, mas ATENÇÃO, o convite é enviado do vosso perfil e não em nome da página. Aparecerá Fulana X convida para Maria das Palavras. Eu tenho um perfil do blog e é esse que uso para alimentar a página e portanto o convite vai com o nome do perfil, mas quem tenha apenas o seu perfil pessoal e uma página anónima e não queira associar os dois de forma nenhuma não deve usar esta técnica (ou pode criar um perfil para o efeito). 

 

Exemplo - Facebook Maria das Palavras

 
Só aceitará o convite quem achar que faz sentido para si e não correm o risco de convidar a mesma pessoas variadas vezes (torrando-lhe a paciência) porque as pessoas que já foram convidades e (ainda) não aceitaram aparecem como Invited / Convidadas, como ali a Raquelina. Peço desculpa por não ter disfarçado os nomes mas é informação pública que qualquer pessoa consegue ver ao visitar a minha página - se alguém me quiser dar nas orelhas por isso é só informar que eu troco as imagens. 

E foi a mini-pérola de hoje. Boa sorte!


Sigam-me no blog pessoal, no Instagram - @maria_das_palavras e no Facebook aqui. O Aprender também tem página no Facebook: aqui.

5 dicas de como obteres retorno do teu blog

portanto, começaste agora um blog ou até, quem sabe, já o tens há algum tempo e não sabes como fazer para que as pessoas o leiam. 

entendo.

não é fácil dedicar tempo, alma e coração a algo e perceber que, tirando a nossa avó e um ou dois colegas cuscos, ninguém mais se dignou a ler o que escrevemos. é desmotivante e pode levar a que penses em desistir (não o faças, não o faças).

posto isto, tendo em conta a minha opinião pessoal e experiência no blog eagora? sei lá!  - que escrevo há uns anos - deixo-te ficar as minhas dicas de como obter retorno através da escrita de um blog.

 

 

1. DESCOBRE QUAL É O TEU OBJETIVO

 

como em tudo na vida, ora essa.

quando decides emagrecer traças um objectivo - ou vários: quero emagrecer dez quilos; quero perder vinte centímetros nas ancas; quero retirar peso do queixo e pô-lo no rabo. o mesmo quando decides aprender a cozinhar: quero provar à minha mãe que as minhas migas são melhores do que as dela. percebe-se a ideia.

então por que é que quando começas um blog não traças um objectivo?

questiona e responde o mais sinceramente:

o que queres do teu blog? palmadinhas ao ego? disciplina de escrita? fazer amigos? ter parcerias que te permitam uma stock de papel higiénico vitalício? receber em casa latas de conserva para os jantares?

é que se não sabes o que pretendes e te limitas a descarregar palavras é muito normal que chegues ao fim com um monte de amigos quando o que querias era um monte de hotéis. ou com dezenas de livros, por exemplo, quando na verdade o que querias mesmo, mesmo, mesmo era dezenas de pessoas com quem falar.

responde a ti próprio(a): o que pretendo eu com este pedaço de internet que alimento?

 

2. PRODUZ CONTEÚDO QUE SE ADEQUE AO TEU OBJETIVO

 

que isto é tudo muito bonito, mas não me basta querer emagrecer vinte quilos. é também preciso não continuar a comer bolas de berlim, por exemplo.

logo, após perceberes o que pretendes, essencialmente, com o teu blog tens de delinear uma estratégia que te permita atingir tal e sobretudo, perceber o que não fazer.

vamos a um exemplo: se o que queres são parcerias com lojas de roupa não podes ter um blog que só fale de couves (como plantar, regar, colher, cozinhar, vender, espremer). ou se, por outro lado, o que te dava jeito era adquirires maquilhagem e ser famosa no mundo da moda, é um bocado difícil que tal aconteça se escreveres que a maquilhagem é uma coisa do demo. e ainda, se o que queres  é ser "pescado", à laia de um grande escritor, para uma editora qualquer e passar a produzir obras dignas de saramago, não podes ter um blog alimentado só por fotografias.

o conteúdo que produzes é, no fundo, o barco que te vai levar ao sítio que decidiste, mesmo que esse sítio seja apenas uma pequena ilha onde recebes dois ou três amigos e descarregas as frustrações dos teus dias. (se o que queres é isso tens, por exemplo, de escrever).

 

3. DÁ UM MOTIVO ÀS PESSOAS PARA TE LEREM/SEGUIREM

 

lembra-te da fábula da raposa e das uvas: "não interessa nada que não me leiam que eu também não queria".

até pode ser, em alguns casos, mas no geral se escreves online é porque queres que alguém te leia. é porque queres obter empatia/compreensão/amizade ou coisas grátis. de outro modo escrevias no word, por exemplo, ou em cadernos todos catitas que por ai andam. (mas importa não confundir "gostaria que me lessem" com "o blog só vale a pena se me lerem").

logo, para teres gente que te leia tens que perceber o seguinte: num mundo cheio de blogs, páginas, sites, e enfim, um maralhal de informação online,

i) o que dás aos teus leitores?

ii) o que te distingue de todos os outros?

é porque tens receitas culinárias que mais ninguém tem? (ah, aquela relvinha com frango, oregãos e grão de bico. que sabor. que original. que beleza). porque tens um humor interessante? ( mesmo sendo mais negrinho do que a peste?). porque escreves de forma distinta? (eu.adoro.escrever.e.não.interessa.que.não.o.saiba.fazer). porque as tuas opiniões distraem? porque tens informações que são válidas a quem lê? (como este post, por exemplo).

em suma, o que dá à tua ovelha a cor diferente das outras? 

 

4. RECORRE AO MARKETING DIGITAL

 

take your businessto the next level!.png

 

a sério. podes sempre passar algumas horinhas a ler sobre o assunto mas se não o quiseres fazer há dicas já bastante conhecidas e que resultam na hora de atrair pessoas. entre elas:

* escrever bem. e quando digo escrever bem não é produzir arte mas sim ter o mínimo de cuidado na forma como escreves. é que se uma gralha, um erro, uma frase mal construída são perfeitamente naturais e até ligeiramente aceitáveis na maioria dos casos - afinal ninguém vive disto e somos todos humanos - o mesmo não se pode dizer a todo o conteúdo do blog ser assente em erros ortográficos. além de irritar muita gente acaba por te pôr numa posição desconfortável. 

* interacção com outros blogues. primeiro porque é divertido (sobretudo quando um dos teu objectivos - como um dos meus - é ter mais contacto social). depois porque o facto de existirem outros blogs não tem qualquer relação com o teu conteúdo ser menos lido (aquela ideia de rivalidade muito comum). na verdade, quem escreve em blogs gosta - maioritariamente - de ler outros blogs pelo que a existir uma pseudo concorrência, a mesma é só saudável, acabando a interação com todos por se traduzir, na maior parte das vezes, numa relação win-win. 

* dá atenção a quem te lê através de, por exemplo, passatempos: acabas por presentear gente que perde tempo a ler-te (eu acho que ganha) e ainda consegues chegar a pessoas que provavelmente não chegarias.

(a propósito já participaste neste passatempo, no meu blog?

 

5. DIVERTE-TE

é.  a não ser que queiras viver monetariamente do teu blog, lembra-te que na maioria dos casos, produzir conteúdo num espaço da internet é um hobbie. e sendo um hobbie só faz sentido se obtiveres prazer dele, sem pressão, sem rivalidades (ele conseguiu mais do que eu, espero que parta uma perna), sem métricas rígidas (ninguém me comenta, vou fechar portas) e sobretudo fazendo-o apenas por fazer, porque sim, porque toda a gente faz:

 "põe quanto és no mínimo que fazes", já dizia o outro.

 

agora conta-me: por que tens um blog?

 

enquanto pensas nisso podes sempre ver mais dicas acerca deste assunto que já foram escritas aqui:

e não mais importante...

F I.pngvem ter comigo até ao blog - aqui, facebook - aqui,  e instagram - aqui 

Desenformar bolos sem nojinhos

Não quero levar-vos ao engano: prefiro que me façam os bolos do que ser eu a fazê-los em qualquer circunstância. Mas quando os faço quase tudo me dá prazer menos uma etapa muito particular: untar a forma. Ele é manteiga nas unhas, ele é farinha na roupa, ele é o diabo a quatro. E aquela sensação gostosa (#sqn) de estar a tocar na manteiga melequenta que nasceu para se derreter em cima de pão caseiro e não para isto? Não precisam dizer: eu sei que isto sou eu armada em princesa e muita gente o faz sem qualquer dificuldade. 

Mas...não precisam! Há duas coisinhas mágicas que fizeram com que eu voltasse a fazer bolos com mais regularidade (menos agora por causa dos 66 Dias sem Porcarias)  e sem nojinhos. A saber:

 

 

1. As formas de silicone

 

forma_silicone_bolo_mor_4.jpg

Compram-se em qualquer hipermercado (a da imagem por exemplo, são 6€ no Continente) e massa nenhuma se pespega à parede. Tenho uma assim, uma sem buraco, duas de meia dúzia de queques, uma que faz desenho de flor e uma de tarte. Abençoadas. Na maior parte das receitas (que eu uso, pelo menos) não faz qualquer diferença na textura ou sabor, mas faz uma diferença maluca na minha predisposição para fada do lar. E se me disserem que o bolo X não ficam igual fazendo em silicone eu digo; acredito, nesse caso vou fazero bolo Y.

 

2. Spray para untar

 

Spray para Untar (Amazon)

 

A primeira vez que o vi foi no El Corte Inglès (nem perguntem o que andava lá a fazer, o mais provável é ter ido cinema e ter-me perdido no labirinto que é este centro comercial). Foi amor à primeira vista. Achei caro, mas compensador. E foi. Entretanto já o deitei fora por ter passado a validade - que até é longa, deve ser sinal que tenho de fazer mais bolos, mas assim que puder já compro outro, até porque já vi que há na Amazon (tudo há na Amazon). E parece que a Fula também tem um amiguinho destes agora. Também podem vir-me com a cantiga que não são saudáveis (porque a manteiga, é?), mas hoje em dia nada é saudável, nem o leitinho que cá para mim era dado adquirido, portanto não me parece desculpa válida para não usar. 

 

Espero ter-vos sido útil. Se não fui, reajam fazendo-me um bolo. De chocolate. Mas já sabem, só depois dos 66 dias(aliás o tema deste post pode ter sido afetado por isso mesmo, mas não garanto).

 


Sigam-me no blog pessoal, no Instagram - @maria_das_palavras e no Facebook aqui. O Aprender tem tem página no Facebook:aqui.

Testamento Vital

 

testamento vital.jpg

 

Conhecem o Testamento Vital?

É um documento feito por sua iniciativa, no qual pode inscrever os cuidados de saúde que pretende receber, ou não, numa situação clínica específica, em que não será possível expressar, autonomamente, a sua vontade. Permite, também, nomear um Procurador de Cuidados de Saúde.
É um direito em vida que pode e deve ser exercido por cada um de nós!

Para o Testamento Vital ficar ativo, devem preencher o formulário da Diretiva Antecipada de Vontade (DAV) aqui, descarregar o modelo da DAV e preencher o formulário. Para efetivar o registo, devem entregar o formulário preenchido na sede do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) ou na Unidade Local de Saúde (ULS) da sua área de residência. Podem, também, entregar num dos balcões RENTEV (Registo Nacional do Testamento Vital) do país. Aqui fica à Lista Nacional de Balcões RENTEV.

Consultem na vossa Área do Cidadão os acessos feitos pelos médicos e verifiquem se o vosso Testamento Vital está correto, ativo e dentro do prazo. Poderão alterá-lo ou revogá-lo a qualquer momento.
O médico assistente pode consultar o vosso Testamento Vital, através do Portal do Profissional, garantindo que a vossa vontade será cumprida.


Exerçam este direito! Não deixem que decidam por vocês, quando a liberdade de escolha é vossa.

 

Mais informações em https://www.sns.gov.pt/cidadao/

Minerais essencias #3 - Ferro

Ter uma alimentação rica em Minerais é essencial para mantermos o nosso organismo saudável.

 

ferro.jpg

 

Um desses minerais é o Ferro, essencial no transporte de oxigênio no organismo, na formação de glóbulos vermelhos, na manutenção do sistema imunológico, na produção e manutenção de vários neurotransmissores cerebrais e na proteção contra danos provocados por oxidantes.

Para que o Ferro seja absorvido de forma eficiente é importante:

-  que devam ser ingeridos acompanhados de um alimento fonte de vitamina C;

-  e também longe da presença de alimentos ricos em cálcio como leite e derivados pois estes dificultam a absorção do ferro pelo organismo.

 

Podemos encontrá-lo em diversos alimentos, como:

- ostras e mexilhão;

- grão de bico;

- gema de ovo;

- beterraba;

- fígado;

- carnes vermelhas;

- sementes de abóbora;

- soja;

- cominhos;

- espinafres;

- pão de cevada;

- salsa.

Minerais essencias #2 - Cálcio

Ter uma alimentação rica em Minerais é essencial para mantermos o nosso organismo saudável.

CALCIO.jpg

 

Um desses minerais é o Cálcio, essencial para a construção e manutenção dos ossos e dos dentes.

Para que o cálcio seja absorvido de forma eficiente é importante:

-  que seja ingerido sem alimentos que contenham cafeína ou ferro, pois estes nutrientes impedem a fixação do cálcio nos ossos;

- e a presença da Vitamina D, que estimula o intestino a absorver o cálcio ingerido.

 

Podemos encontrar o Cálcio em diversos alimentos, como:

- leite e iogurte;

- brócolos,

- feijão branco e grão;

- couve;

- sardinha e salmão;

- linhaça;

- amêndoas;

- laranja;

- quivi;

- soja;

- tofu.

 

Minerais essencias #1 - Zinco

Ter uma alimentação rica em Minerais é essencial para mantermos o nosso organismo saudável. zinco.jpg

Um desses minerais é o Zinco, essencial para que nosso corpo funcione de maneira eficiente e que nos protege de doenças e ajuda a combater outras que, infelizmente, já se instalaram. O principal papel do zinco no organismo é defender o organismo contra vírus, bactérias e fungos, ou seja, reforça o nosso sistema imunológico.  

 

Podemos encontrar o Zinco em diversos alimentos, como:

- ostras e camarão;

- carne de vaca, frango e de peixe;

- fígado;

 - rãos integrais

 - castanhas;

- amendoim;

- grão;

- tremoços;

- sementes de abóbora;

- lentilhas;

- amêndoas;

- feijão preto:

 

Fazer "Leite Vegetal" em casa

Cada vez é mais comum as pessoas descobrirem que são intolerantes e até mesmo alérgicas à lactose. Por isso, ou por outras razões, deixam de consumir leite animal e passam a consumir outros leites, chamados leites vegetais.

Resultado de imagem para leites vegetais

Estes " Leites Vegetais", são uma alternativa vegetariana bastante saudável e nutritiva, pois contêm grandes concentrações de vitaminas, minerais, cálcio e ácidos gordos essenciais ao bom funcionamento do organismo. No entanto, estes leites são bastante mais caros e nem todas as pessoas têm facilidade no seu acesso. Assim, aqui ficam algumas receitas para os fazerem  em casa de uma forma bastante prática, saudável e muito mais económica:

 

Leite de Aveia

Numa taça demolhe 1 caneca de aveia em flocos em 4 canecas de água e deixe ficar durante toda a noite. De manhã coloque num liquidificador a aveia demolhada e a água e junte mais 1 caneca de água.  Pode juntar mel, tâmaras,stevia ou outro produto que adoce  a gosto e/ou canela e baunilha (Eu só lhe junto uma colher de café de canela em pó). Misture até ficar uma pasta homogénea. Deixe a coar num passador fino ou num filtro de café e coloque no frigorífico. Deve ser consumido no prazo de 4 dias.

 

Leite de Arroz

Limpe e lave 1 caneca de arroz integral em várias águas.Numa taça demolhe o arroz em 4 canecas de água e deixe ficar durante toda a noite. De manhã coloque num liquidificador o arroz demolhado e a água e junte mais 1 caneca de água.  Pode juntar mel, tâmaras,stevia ou outro produto que adoce  a gosto e/ou canela e baunilha (Eu só lhe junto uma colher de café de canela em pó). Misture até ficar uma pasta homogénea. Deixe a coar num passador fino ou num filtro de café e coloque no frigorífico. Deve ser consumido no prazo de 4 dias.

 

Leite de Amêndoa (ou outro fruto seco)

Coloque 125 gr de miolo de amêndoa com casca  de molho num litro água durante as 24 horas mudando a água pelo menos 3 vezes. No dia seguinte coloca-se no liquidificador o miolo de amêndoa escorrida com 1 litro de água. Pode juntar mel, tâmaras,stevia ou outro produto que adoce  a gosto e/ou canela e baunilha e tritura-se até ficar uma pasta homogénea. Deixe a coar num passador fino ou num filtro de café e coloque no frigorífico. Deve ser consumido no prazo de 4 dias.

 

Leite de côco

Coloque 200 gr de côco ralado numa taça e junte 1 litro de água a ferver. Deixe ficar assim de molho durante 1 hora. Passado esse tempo triture tudo no liquidificador e coe  num passador fino ou num filtro de café e coloque no frigorífico. Também pode juntar mel, tâmaras,stevia ou outro produto que adoce  a gosto e/ou canela e baunilha  antes de triturar. Agite antes de usar e deve ser consumido no prazo de 4 dias.

 

5 dicas para mudar de emprego

já sentiste isto?

é sexta feira de manhã e acordas com uma nova vitalidade. é o último dia da semana. sair da cama parece mais fácil, mesmo que esteja tanto frio como ontem, vás trabalhar para o mesmo sítio de ontem e vás praticar o mesmo horário de ontem. 

é que é sexta feira e só te resta um dia antes de teres quarenta e oito horas só para ti, ao teu dispor, sem pressão, sem desânimo, sem frustração, sem sentimento de que ali não é o teu lugar.

já sentiste isso? 

 

e isto, já sentiste?

é domingo depois de almoço e olhas fixamente o relógio. falta uma tarde e uma noite para ires trabalhar de novo. uma tarde e uma noite e deixas de conseguir respirar decentemente. uma tarde e uma noite e passas a viver um pouco menos e a sobreviver um pouco mais. a sentir menos as coisas boas e sofrer mais com os cinco longos dias que se avizinham.

falta uma tarde e uma noite para ires passar uma semana num trabalho que te causa ansiedade, desmotivação, não te faz crescer, não se enquadra no que és e obriga-te a ver passar os dias com a sensação de perda.

muito bem.

14.jpg

 

e o que é que fizeste?

nada!

não fizeste nada porque tens medo. porque tens uma série de contas para pagar no final do mês. porque tens pessoas que dependem de ti. porque precisas de pensar nos outros primeiro. porque hoje em dia não é fácil arranjar trabalho e só os loucos desperdiçam as oportunidades que encontram. porque ninguém quer sentir o estigma de estar desempregado. porque é mais fácil acomodar-nos a uma situação relativamente segura, mesmo que nos magoe, do que enfrentar o grande desconhecido com uma mão à frente e outra atrás.

 

então o melhor é permaneceres?

NÃO!

e é por isso que deixo uma série de dicas que podes seguir para mudar. para te reenquadrares num trabalho onde te valorizem e, sobretudo, onde tu valorizes o que fazes. onde sintas que o tempo não é desperdiçado mas gasto numa coisa que faz parte de ti.

vamos lá?

 

1. antes de mais percebe se, efectivamente, é hora de mudar de emprego. pergunta a ti mesmo "isto dura há quanto tempo?" e "há perspectivas de mudar".

segundo alguns artigos, há sinais que não deves ignorar, mas aquele mais evidente é: apetece-te enfiar um garfo em cada olho do teu chefe e duas brasas em fogo no traseiro de alguns colegas? então está na hora de dar o salto.

 

2. chegando à conclusão que efectivamente, ali não é o teu lugar (tanto mais que preferias fazer a recolha de cocó de rinoceronte no zoo do que estar no sítio onde estás) não adies a mudança para amanhã. evidentemente que, se tiveres três filhos, dois créditos e nenhuma almofada financeira, não podes simplesmente bater com a porta.

mas começa a delinear uma estratégia e a responder perguntas básicas: consigo sair daqui e ter direito ao subsídio de desemprego? há algum tipo de ajuda familiar a que possa recorrer? quanto tempo posso estar sem auferir qualquer rendimento antes de arranjar novo emprego? estou disposto/a a arranjar pequenos trabalhos fora da minha área de formação/experiência para conseguir "aguentar-me" enquanto procuro novo trabalho?

 

3. nesse entretanto, tenta fazer pequenos serviços em regime de freelancing, seja na tua área de actuação, seja em áreas que dominas. actualmente a internet tem um novo potencial de emprego com excelentes plataformas de intermediação de profissionais (a zaask, por exemplo, é excelente) e que te permitem ir ganhando dinheiro assim como arranjar uma série de contactos.

mesmo que não sejam tão bem remunerados quanto querias, lembra-te que a maior parte não exige um horário fixo e paga dependendo do resultado final, o que permite conjugar várias actividades.

 

4. quando finalmente te despedires não saias de relações cortadas (a não ser que entretanto tenhas mesmo enfiado dois garfos em cada olho do teu chefe e aí já não há nada a fazer). na procura de emprego que se avizinha há grande probabilidade de contactarem o sítio de onde sais, na procura de referências, e não queres que te apelidem de "a/o-fulana/o-que-põe-chefes-com-olhos-à-camões". 

 

5. depois de desempregado afasta-te do estigma ligado ao desemprego - que meio país sente - e lembra-te de várias coisas:

* estar empregado ou desempregado não te define. 

* ter tempo livre, mesmo que imposto, permite-te fazer uma análise profunda dos teus pontos fortes e fracos (a chamada análise swot de que falarei num próximo post) e redireccionares energias para algo em que realmente possas ser bom.

* estar desempregado não é sinónimo de estar desocupado e, muito menos, de seres um(a) inútil. tanto que podes ocupar o teu tempo em investimento pessoal. uma dica é que procures o centro de formação do IEFP da tua área de residência uma vez que costuma ter formações grátis (e que valorizam o teu CV). 

* não desanimes e, sobretudo, não desistas ao primeiro não. lembra-te que por mais respostas negativas que tenhas a resposta positiva só chegará se continuares a tentar e, inevitavelmente, nunca virá se desistires. 

 

e agora chegou aquele momento em que perguntam: como podes ter certeza isso M.J.?

porque passei por essa situação (escrevo sobre isto aqui: "há dois anos atrás despedi-me").

e foi das melhores coisas que me aconteceu na vida. 

 

agora conta-me: se te doem os domingos o que vais fazer acerca disso?

(a caixa de comentários é toda tua ou então usa o meu e-mail "eagoraseila@sapo.pt")

 

F I.png

vem ter comigo até ao blog - aqui, facebook - aqui,  e instagram - aqui 

Phishing

phishing-attack.jpg

O meu cartão de crédito foi clonado e, depois de muito pensar como poderia ter acontecido uma vez que não o usava há uns tempos, conclui que fui alvo de phishing apesar dos cuidados que habitualmente tenho para evitar que tal me aconteça.

Mas afinal que é isso do phishing? 

O phishing deve o seu nome à palavra inglesa “fishing”, cujo significado é “pescar”. O phishing consiste em utilizar métodos tecnológicos que levem o utilizador a revelar dados pessoais e/ou confidenciais.

Este tipo de ataques é geralmente acompanhado por mensagens de SPAM, enviadas para vários utilizadores. Embora possam haver tipos de phishing que pedem os dados directamente por resposta ao e-mail, na maioria das vezes estão articulados com um website onde o utilizador preenche os seus dados. Geralmente os dados pessoais roubados dizem respeito a informações de contas bancárias, logins de contas online e outras informações confidenciais.

(fonte: Internet Segura)

E ninguém está a salvo destas tentativas pelo que todos deveremos ter alguns cuidados para evitar cair na esparrela. O site Internet Segura tem algumas recomendações:

  • Não se esqueça que bancos e serviços públicos são as entidades mais utilizadas para produzir estes esquemas. Por isso, tenha um cuidado redobrado quando recebe um e-mail destas entidades. Verifique a sua origem e analise todos os pormenores;
  • Confirme a extensão do endereço de e-mail. Se não corresponde ao endereço da entidade, o e-mail é uma fraude;
  • Se o corpo da mensagem estiver a utilizar imagens copiadas do website original, é possível identificar a pouca qualidade das mesmas. Se alguma das imagens ou hiperligações o remeter para um website que não corresponde ao website oficial do banco, é provável que se trate de um esquema de phishing. Verifique a barra do navegador assim que a página carregou para se assegurar que o endereço e o nome do site corresponde ao habitual;
  • Identifique erros ortográficos ou gramaticais, bem como palavras que normalmente não são utilizadas na comunicação institucional. Estes são sinais que o texto não foi redigido pela entidade em questão;
  • Não clique em links suspeitos ou que sejam enviados de fontes que não conhece e/ou confia;
  • Verifique que o site está a utilizar uma ligação segura (https);
  • Caso tenha dúvidas quanto à autenticidade do website, não introduza quaisquer dados pessoais em nenhuma circunstância;
  • Contacte a empresa ou prestador de serviços em questão, através do website ou outro meio de contacto oficial, para assegurar a legitimidade do seu website;
  • Não introduza dados sensíveis (logins, passwords, dados pessoais e/ou confidenciais) através de redes públicas.

Tenho, no entanto, de fazer aqui uma adaptação. No caso em que cai no esquema de pishing, o email que recebi estava em inglês perfeito sem erros gramaticais ou ortográficos. O endereço de email aparecia como sendo o correcto e o website que abriu era bastante fiel ao original. O meu erro: abrir o link que constava no email em vez de entrar no site em causa numa nova sessão.

Valeu-me o alerta sms que recebo sempre que há uma operação com o meu cartão de crédito. Essa opção evitou que o continuassem a usar porque o cancelei uns minutos após a primeira operação.

Aplica-se, aqui, mais uma vez, aquela velha expressão portuguesa: o seguro morreu de velho!